Faculdade Rudolf Steiner

Rudolf Steiner

Rudolf Steiner nasceu na segunda metade do séc. XIX e, por meio de suas obras filosóficas e científicas, conectou-se profundamente às principais questões de sua época. Partiu de uma visão integral do ser humano, que abarca suas dimensões corporais, psicológicas e espirituais, contribuindo com as mais diversas áreas de atuação profissional.  Em 1919, impulsionou a fundação da primeira escola Waldof, em Stuttgart, na Alemanha, com a qual nasceu uma nova concepção pedagógica ancorada nessa visão ampliada do ser humano e de seu desenvolvimento, visando também a uma nova organização social. Atualmente a Pedagogia Waldorf encontra-se difundida em diversos países. O legado de Rudolf Steiner é fomentado pela Sociedade Antroposófica, cuja sede encontra-se em Dornach, na Suíça.

A Pedagogia Waldorf no Brasil

No dia 27 de fevereiro de 1956, no bairro Higienópolis, em São Paulo, a Escola Higienópolis inicia seu funcionamento mantida pela Associação Pedagógica Rudolf Steiner.  Sendo a primeira escola Waldorf no Brasil, nasce com o desafio de integrar à realidade brasileira uma pedagogia que fundamenta sua prática na imagem antroposófica do homem. Posteriormente a escola mudou-se para o bairro Alto da Boa Vista e passou a ser chamada Escola Waldorf Rudolf Steiner, atendendo, hoje, 815 alunos, do maternal ao 12º ano.

Desde então, muitas outras iniciativas voltadas à Antroposofia e à pedagogia Waldorf nasceram no Brasil: a produção de medicamentos, as fazendas de agricultura biodinâmica, as ações empresariais voltadas para a aplicação das ideias sociais propostas por Rudolf Steiner, as ações sociais e a tradução e edição de livros.

A Federação das Escolas Waldorf no Brasil (FEWB) foi fundada em 1996 com o intuito de coordenar as atividades e demandas das escolas Waldorf no Brasil. Nos últimos 20 anos, tem registrado o grande crescimento das iniciativas Waldorf no país.

Em São Paulo, nos últimos 20 anos, o número de escolas Waldorf aumentou de 9 para 40.

Formação em Pedagogia Waldorf

Em 1973, atendendo à crescente necessidade de formação de professores na Pedagogia Waldorf, nasceu o primeiro curso de formação Waldorf no Brasil, por iniciativa do casal Marianne e Rudolf Lanz. Ele era diário e funcionava no horário matutino, tendo duração de dois anos. Tinha como finalidade formar professores aptos a atuarem a partir da Pedagogia Waldorf, embora se mantivesse como um curso livre de extensão.

Em 1997, houve uma grande reformulação de propostas. O curso tornou-se noturno, abarcando professores atuantes em busca de uma formação Waldorf consistente, e foi legalizado como curso de magistério. O Centro de Formação de Professores Waldorf (CFPW) passou a funcionar como Escola Normal, autorizado pelo Parecer CEE nº 576/97 e pela Portaria da Dirigente Regional da 17ª Delegacia de Ensino da Capital, que possibilitaram a sua instalação e seu funcionamento. O curso oferecido possuía 1600 horas, distribuídas ao longo de quatro anos. Hoje 70 alunos frequentam o CFPW, sendo que 40 estão no primeiro ano e 36 no terceiro.

Para o ano de 2016, houve outra reformulação da grade curricular do curso de formação de professores Waldorf e a gestão passou a ser realizada pelo Instituto de Desenvolvimento Waldorf (IDW). Houve redução da carga horária total, agora de 1200 horas, distribuídas em três anos, sendo o primeiro de introdução à Antroposofia, o segundo de introdução à Pedagogia Waldorf e o terceiro com a opção de especialização em Ensino Infantil ou em Ensino Fundamental. As disciplinas foram agrupadas e realizou-se a escolha de assuntos essenciais para a formação, optando-se também por um número maior de trabalhos e de leituras como tarefas.

O curso envolve fundamentação teórica antroposófica e humanística em geral. Além disso, percorre metodologia, didática e matérias artísticas. Todos os estudantes frequentam  aulas de canto, flauta, pintura, modelagem, trabalhos manuais, teatro, movimento e arte da fala – conteúdos importantes para o exercício da Pedagogia Waldorf. Exige, também, 200 horas de estágios.



Instituto de Desenvolvimento Waldorf

O Instituto de Desenvolvimento Waldorf (IDW) foi criado pela Associação Pedagógica Rudolf Steiner em junho de 2013.

Constitui uma das missões do IDW desenvolver e difundir conhecimento nas áreas de educação, artes e ciências humanas em geral, especialmente aquelas relacionadas à Antroposofia e à pedagogia Waldorf.

Este Instituto tem colocado a pedagogia Waldorf em diálogo com diferentes perspectivas educacionais, artísticas e filosóficas, possibilitando um espaço de reflexão e formação continuada do educador e do público em geral, estimulando um debate criativo e não dogmático.

O IDW é o precursor da Coordenadoria de Pesquisa e Extensão da Faculdade Rudolf Steiner, já alinhado com a Política de Extensão desta Instituição.  Nesse sentido, é o responsável por perceber as necessidades temáticas, além de ser campo de experimentos de novas abordagens metodológicas.

Ao longo dos seus quatro anos de atividade, o IDW realizou aproximadamente 120 cursos de curta duração. O público é principalmente formado por profissionais da educação em busca de novas respostas às suas indagações pedagógicas, e por pais desejosos de maior compreensão sobre a educação de seus filhos. Recebe também pessoas das mais diversas áreas, interessadas em ampliar e aprofundar seus conhecimentos acerca do ser humano.

Alinhado com a missão da Faculdade Rudolf Steiner, o Instituto de Desenvolvimento Waldorf tem conseguido proporcionar a difusão de conhecimento para a comunidade, cumprindo a função social à qual se destina, de partilhar saberes e abrir pontes de comunicação com a sociedade. Volta-se a isso com dinamismo, criatividade e seriedade acadêmica.